séries de televisão

O que andas a ver, Sónia?

23 de Novembro, 2019
O que andas a ver, Sónia?

Nunca pensei que os transportes públicos passassem a ser recorrentes na minha vida, mas também sei que as viagens para casa não seriam suportáveis sem a Netflix para me ajudar. Há uma receita oriunda dos céus que combina headphones com aplicações simples e eficazes, e é com este cocktail que me tenho perdido nas duas horas pós-trabalho.

Desde que me mudei para o WordPress – e tenho andado tremendamente parada, eu sei – que me tenho questionado acerca de novas rubricas ou projetos que pudessem dinamizar o blogue. Embora esta temática não seja propriamente recente, uma vez que sempre fui ávida no que diz respeito a séries de televisão, achei interessante começar uma rubrica que respondesse à pergunta: “O que andas a ver, Sónia?”

Sem mais demoras, vamos a isso?

The Good Place
© Reelgood
The Crown
© IMDB
© IMDB
Já estás a seguir o blogue via e-mail?

Só tens que colocar aqui o teu endereço de e-mail e irás começar a receber os artigos mais recentes do By the Library na tua caixa de entrada em primeira mão!

1. The Good Place (2016)

Até agora, nunca tinha percebido o fascínio pela Kristen Bell. Todos lhe acham piada, está bem. Mas para além disso, o que faz com que esta atriz seja tão… relatable? Faz todo o sentido agora. Aliás, até o zunido em torno da série entende-se porque, acreditem, vale tanto a pena! É a combinação perfeita entre humor fácil, sem grandes piruetas, ao mesmo tempo que nos oferecem personagens reais e com as quais nos é possível relacionar. Bem, até certo ponto, pelo menos.

Eleanor Shellstrop morre. Acorda numa sala cheia de luz, muito bem decorada, onde tudo parece harmonioso e pacífico. É apresentada a Michael, o arquiteto do bairro onde vai passar a viver pós-morte. “You’re in the good place, Eleanor.” Uma espécie de versão moderna e requintada daquilo que conhecemos como Paraíso, onde também há espaço para o equivalente ao Inferno – The Bad Place. Em vida, Eleanor fez voluntariado e viveu todos os seus dias a pensar nos outros. Só há um problema: a Eleanor nunca foi, realmente, essa pessoa. A verdadeira Eleanor é definitivamente uma má pessoa e há algo de muito errado a acontecer.

Esta é daquelas séries que fica melhor se não soubermos grande coisa sobre ela. Comecei a ver graças à recomendação de um amigo, mas não sabia sobre o que era ou quem eram as personagens principais. Cada temporada tem um pequeno twist que vem sempre acompanhado de um humor quase light mas que continua a ser sardónico e atual. 

2. The Crown (2016)

Num tom bem mais sério e realístico, a terceira temporada da série biográfica sobre a rainha de Inglaterra, Elizabeth II, chegou à Netflix e eu não podia estar mais entusiasmada.

De modo a conseguir acompanhar a linha do tempo da rainha, trocaram-se todos os atores e foram introduzidos outros novos. Ainda que me tivesse custado despedir de Claire Foy e Matt Smith, recebi de braços abertos Olivia Colman, no papel de Elizabeth, e Tobias Menzies, no papel de príncipe Philip. Este novo elenco veio com um bónus que, até agora, tem sido o meu favorito: uma das minhas atrizes favoritas, Helena Bonham Carter, foi escolhida para o papel da princesa Margaret, irmã da rainha. Nem é preciso dizer mais nada, pois não?

Os rumores para a quarta temporada falam de uma nova substituição de atores onde a rainha Elizabeth será interpretada por Imelda Staunton. O nome talvez não vos diga nada, mas quando vos disser que interpretou Dolores Umbridge em Harry Potter, a coisa muda um bocado. Não sei lidar com essa mudança e estou à espera de confirmação, porque não sei como me vou sentir com esta atriz num papel que tanto estimo. 

3. Mindhunter (2017)

Esta série não é nova para quem costuma(va) acompanhar o blogue. Em 2017, quando o programa estreou, falei sobre ele e da forma como o elenco e a produção me tinham deixado vidradae enjoada. Relembrando um pouco sobre o que narra: dois agentes do FBI decidem entrevistar serial killers para melhor entender o perfil de criminosos cujas intenções vão para lá daquilo que se sabe na altura, numa época onde psicologia criminal nem sequer é entendida ou propriamente aprovada pela sociedade. 

A segunda temporada, que estreou há uns meses na Netflix, vai um pouco para lá das entrevistas e explora a vida dos dois agentes do FBI em ação. Paralelamente a isso, temos vislumbres de nomes bem populares no mundo do crime, como um dos criminosos mais famosos internacionalmente, Charles Manson. E um dos factores mais importantes? David Lynch é responsável pela realização da série, o que só nos dá mais razões para a qualificar a um patamar de excelência.

Antes de irem...

Espero que tenham gostado deste (mini) regresso ao blogue. Considero a Netflix uma das minhas grandes companheiras nas viagens em transportes públicos, pelo que acabo por ver muita coisa no espaço de duas horas de regresso a casa.

Mais do que falar sobre aquilo que vejo, espero que considerem estes três programas como sugestões porque, acreditem, valem muito a pena. Serve para quem aprecia boa comédia, para quem é fã de histórias sobre a monarquia (adoro!) e para quem é viciado em narrativas sobre psicopatias e criminologia, neste caso específico focado nos Estados Unidos da América. 

Se começarem a ver qualquer uma destas séries, digam-me o que acharam. E se estiverem sugestões, sou toda ouvidos. 😉

  • Reply
    Andreia Morais
    23 de Novembro, 2019 at 22:24

    Não acompanho nenhum destas três. No entanto, tenho imensa curiosidade em relação à primeira e à última!

    Que bom estares de volta <3

    • Reply
      Sónia Rodrigues Pinto
      24 de Novembro, 2019 at 15:46

      Acho que precisas mesmo de começar a ver. “The Good Place” é verdadeiramente hilariante 🙂
      Obrigada, linda!

  • Reply
    Inês
    23 de Novembro, 2019 at 22:33

    Destas só vi Minhunter e as a primeira temporada de The crown e adorei. Recomendo muito Atypical, se ainda não tiveres visto 🙂

    • Reply
      Sónia Rodrigues Pinto
      24 de Novembro, 2019 at 15:45

      A segunda temporada de “Mindhunter” está brutal. Também recomendo muito a continuação de “The Crown”, apesar de ainda não ter terminado a terceira temporada.
      Tenho a dizer que depois do teu comentário fui ver o trailer de “Atypical” e adorei. Acho que vai ser a próxima série da Netflix, por isso obrigada 🙂

Deixar uma resposta